sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Moreirense 1 x 2 FC Porto | Trivelas & Roscas


Vitória insípida. A possibilidade de termos perdido um, possivelmente dois, dos jogadores mais influentes da equipa por tempo indeterminado trava o sabor do regresso às meias-finais da prova raínha. É certo que a quebra física é consequência natural da escassez de recursos. Neste micro FC Porto, todos jogam e (quase) todos jogam muito. Mas não posso deixar de notar também uma espécie de jogo de forças cósmicas que me perturba mais do que seria desejável. Se ganhamos um Herrera, perdemos um Óliver. Se ganhamos um Sá, perdemos um Casillas. Se reabilitamos um quase dispensado Layún, lesiona-se um Marega a aquecer. Se é frustrante para mim, imagino para Sérgio Conceição, que até ao final da temporada vai ter de racionar melhor do que uma ONG no Ruanda. E estando em todas as provas, não sei se temos bateria que chegue para a maratona.


Maxi: Deve andar a jogar infiltrado no Campeonato Nacional de Séniores. Só assim se explica a falta de ritmo que não acusou. Incansável em toda a linha,  estendeu-se bem no terreno e mostrou uma percentagem de acerto simpática nos cruzamentos, o seu ponto fraco, mantendo a habitual solidez a defender. Tenho de respeitá-lo. Maxi faz por demonstrar que não veio para o FC Porto gozar a reforma antecipada depois de ganhar quase tudo no rival. Fosse eu assalariado do Benfica e o único esforço que faria era para não me cuspir todo nas palestras de Rui Vitória.

Layún: Não foi o melhor jogo do mexicano com a camisola portista, mas voltou a mostrar que pode ser o joker que a equipa procura. Joga em qualquer posição, fazendo prevalecer a sua inteligência na leitura do jogo sobre a anarquia táctica em que mergulha por levar a polivalência ao extremo. Sérgio Conceição pode fazer com ele aquilo que Jorge Jesus está a fazer com Bryan Ruiz. Em 2017/18, Miguel Layún já foi titular, esteve para sair, desapareceu das opções, regressou, dizia-se que era preguiçoso, mas no fim de contas é um jogador que "dá garantias" a Conceição. E ainda bem.

Herrera: "Patinho feio, o caralho. O meu nome agora é Zahovic", disse o mexicano ao espelho algures em setembro de 2017. Está feito um senhor jogador. É o catalisador da máquina. Começa finalmente a dar razão aos que nunca deixaram de acreditar nele, a silenciar os que sempre o criticaram e a agradar ambas as partes. Temia que as mini férias lhe fizessem mal, porque a taxa de rendimento de Herrera está indexada ao índice de confiança. Mas a Herreronomia está a tornar-se uma ciência exacta. Yay.


Hernâni: Nope. Não serve. Há mínimos olímpicos que não consegue cumprir. Dizer que Hernâni é alternativa a Corona é dizer que soja é alternativa à carne. Na falta de reforços, Galeno, ou até André Pereira, podem preencher a vaga do ex-vimaranense sem prejuízo para a qualidade global da equipa.

Felipe: O FC Porto voltou a sofrer um golo (e a sofrer em geral) muito por culpa do brasileiro. Tem o descomplicómetro avariado e mesmo quando não tem a bola nos pés parece andar a gravitar à volta de outros assuntos da vida, como o preço do fubá ou a extinção em massa das chinchilas da Índia. Acorda, rapaz.

Mercado: "Se tivesse a certeza que não havia lesões e castigos, mas não temos. Com jogos de três em três dias é preciso muito dos jogadores". Strike three. A mensagem do treinador à direcção é inequívoca. Conceição quer e precisa de mais mão-de-obra. Da outra parte, resta fazer um pequeno esforço para não deitar todo o sacrifício do grupo ao charco. Não podemos é estar à espera que os azares aconteçam - ou fazer fé para que não aconteçam. Porque ninguém pretende passar o final de Maio a lamentar uma política de contratações reactiva que devia ter sido proactiva.

5 comentários :

  1. Não, meu caro, não se perde nem Óliver nem Casillas. O primeiro é 150 mil vezes melhor que o André André e o segundo, por muito que custe a muita gente, ainda é melhor do que o Sá. E se está aqui, pelo menos até final da época, porque não aproveitá-lo?

    E nós temos MESMO de andar sempre em velocidade e chutões pelo ar no meio campo? A ganhar 2-0 (ou mesmo antes!) numa fase em que estamos com os jogadores cansados, ter gente em campo - que só não joga POR OPÇÃO - que sabe muito bem segurar e variar, pausar e impelir, é algum crime de lesa pátria?

    Toda a gente malha no Filipe mas eu pergunto: COMO é que o Moreirense conseguia passar a vida a fazer piscinas pelo corredor central? COMO é que eles chegaram ao golo com meia dúzia de toques?

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. nao me parece que brahimi e marega estejam lesionados. Depois tem sido a pessima gestao de plantel por parte de SC qque aliado ao tipo de jogo que praticamos e a quantidade de jogos que poe em risco os jogadores mais influentes. Nao e compreensivel a ninguem que SC com o plantel curto sente de forma sistematica e por mero capricho oliver e soliveira. Depois nao temos de aturar os gostos de SC por gajos porreiros como hernani que nao joga nada. Precisamos mesmo de 2 medios intensos e fortes mas ha anmos, agora precisamos tambvem de um ala e 1 def central mas mesmo bons , estao aonde nesta altura?? As coisas estao claras ou contratamos mesmo ou o presidente em vez de andar a armar se tendo ao lado raparigas muito mais novas deve dizer isso mesmo a SC e dar lhe a possibilidade de ir buscar a B 2,3,4 jogadores e seguir com eles ate ao fim ou sera que queremos ganhar a segunda liga e nao melindrar o folha?? ACORDEMOS DE VEZ. SE REPARARMO SAO OS PROPRIOS JOGADORES A PEDIR DESCANSO OU SENDO EXPULSOS OU QUEIXANDO SE, SC DEVE PERCEBER QUE NAO E O GENIO DA LAMPADA E DEPOIS TEMOS OS PROXIMOS 30 DIAS PARA OU GANHAR TUDO OU NAO GANHAR NADA, TAO SIMPLES COMO ISSO.

    ResponderEliminar
  3. Caro Drax, bom dia.
    Acho que não estamos a 'perder' peças da engrenagem. O cansaço é natursal, as armadilhas e trapaças e o, acredito ecumenicamente, jogo da mala é que poderão ser problema e quanto a estes, nada a fazer senão estarmos atentos e concentradíssimos. Lampiões e lagartada estão à espreita e, tanto uns como os outros, são muito falsos e traiçoeiros.
    Quanto às limitações internas, cansaço e desgaste e habituais diarreias cerebrais, sigo na linha das suas bem identificadas trivelas. Precisamos de um avançado (gostaria muito do jap de Portimão) e de um central com potencialidade para entrar de caras nas primeiras escolhas (no 1º embate com os bifes só temos 2 se algum se magoa, antes ou durante o jogo, podemos perder o, acredito muito, acesso aos 4ºs).
    1 abç e viva o FCPorto.
    Luís Oliveira

    ResponderEliminar
  4. Claro que queria referir-me às roscas e não às trivelas (com as quais também concordo). Sorry.
    LO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebi o lapso, amigo Luís.

      Confirma-se. Hoje, não há Brahimi. Mas há o legado que ele baptizou e a fé inexorável que nos acompanha desde sempre.

      Vamos ganhar.

      Abraço.

      Eliminar

Comenta com juízo e respeito. Como se estivesses a falar com a tua avó na véspera de Natal.