segunda-feira, 21 de agosto de 2017

FC Porto 3 x 0 Moreirense | Trivelas & Roscas


Correr debaixo de um calor abrasador não é para meninos. Ser treinado por Sérgio Conceição também não. Nem o ar quente que ontem secou os pulmões do Dragão desviou a equipa da identidade que tem relevado desde o início da época. A de um FC Porto que procura resolver a questão antes de ela se tornar um berbicacho. O FC Porto arrancou desperto, com ordem para empurrar a defesa do Moreirense contra o topo sul e vencê-la pelo cansaço. Soube fazê-lo, ainda na primeira meia hora, enquanto o motor não sobreaqueceu. Depois, trocou a vertigem pela lucidez, porque é importante ter vontade de marcar muito, mas crucial é ter pernas para marcar sempre.

Aboubakar: Este jovem faz lembrar aquele outro camaronês que cá tivemos há dois anos, que também arrancou a todo o gás e marcou 4 golos nas primeiras três jornadas. Um avançado jeitoso, com algum faro de golo mas um pouco atabalhoado, que acabaria por perder fulgor ao longo da temporada. Foi recambiado na época seguinte porque o treinador quis um armário belga para decorar o balneário. Curiosamente, ambos se chamam Aboubakar. Mas este Aboubakar é um jogador diferente. Amadurecido, mais evoluído tacticamente, e uma noção de posicionamento mais apurada (mais letal dentro da área). Resta saber se este ano supera definitivamente o seu maior fantasma: as crises de confiança que o banalizaram em 2015/2016.

Marcano: Confesso que a minha reserva em relação ao central espanhol era perceber até que ponto a subida de forma do ano passado era estrutural e não conjuntural. Começo a acreditar que é a primeira. O espanhol é cada vez mais um esteio da defesa portista e a sua tranquilidade é contagiante. Se Marcano está melhor porque tem Filipe ao lado, não é menos verdade que Filipe beneficia imenso de ter Marcano por perto. Dá-me gosto ver o progresso que registou desde que chegou. Passou de "central de recurso que toda a gente espera que nunca precise de jogar" para capitão do FC Porto. Bravo, Iván.

Brahimi: Foi, é, continuará a ser o elemento mais agitador do FC Porto. Pensa sempre o jogo de uma forma diferente dos outros, embora nem sempre melhor. Mas ninguém trata a bola como Brahimi no plantel FC Porto, que quando não tem arrufos com a vida, consegue fazer meio estádio parar de tirar selfies e olhar com atenção para o que está a acontecer no relvado. Há dias em que é mais difícil prever o que vai sair dos pés do argelino do que vai sair do bigode rebuscado de Manuel Machado. E nesses dias, o FC Porto torna-se muito mais complicado de travar. Alimentou o caudal ofensivo enquanto pode, mas está sob uma espécie de plano de proteção anti-fadiga e saiu quando o jogo já não pedia artistas, mas curadores.

Sérgio Conceição: Voltou a fazer uma gestão inteligente, tal como já tinha feito contra o Tondela, embora esta opinião possa não parecer consensual. Sérgio está a levar os seus jogadores à exaustão nos Olival (o plantel teve apenas três folgas em mês e meio) e tem sido mais delicado nos jogos. É sempre um risco abdicar da imprevisibilidade de Brahimi ao intervalo ou da criatividade de Óliver aos 60' (como aconteceu em Tondela), mas se a aposta for ganha, o FC Porto sai a ganhar no longo prazo.

Otávio: Ainda não encontrou a sua praia neste FC Porto de Sérgio Conceição, apesar de ter sido com o treinador conimbricense que o brasileiro mais evoluiu em Portugal. Sobretudo, na atitude. Pareceu amarrado à disposição táctica da equipa, sem saber muito bem por onde andar e o que fazer quando entrou. Sérgio pode fazer dele um jogador de topo, mas Otávio terá de se saber integrar no novo futebol da equipa. O que ainda não aconteceu.

Falta de profundidade: O grande senão do FC Porto 2017/2018. O plantel é curto para uma época tão longa e competitiva. E se isso ainda não se fez sentir é porque Marega tem cumprido, Danilo e Ricardo Pereira ainda cá estão e Aboubakar tem estado de pontaria afinada. Mas lá mais para a frente haverá castigos, lesões, baixas de forma e um modelo de jogo que vai pedir mais rotatividade do que o anterior. Sérgio tem sido mestre na reabilitação, mas é pouco provável que isso seja suficiente. O FC Porto ainda está exposto às agruras de um mercado onde é mais presa do que predador, mas não pode pensar apenas em sobreviver. Terá de se precaver.

@

1 comentário :

Comenta com respeito e juízo. Como se estivesses a falar com a tua avó na véspera de Natal.

Saudações Portistas.