sexta-feira, 13 de outubro de 2017

O princípio do fim


E o primeiro muro caiu. O Benfica viu esta sexta-feira rejeitada a Providência Cautelar interposta ao FC Porto, para impedir o rival de divulgar os emails que têm exposto o maior e mais complexo esquema de corrupção alguma vez montado no futebol luso. Em termos práticos, o impacto desta vitória é quase residual, embora permita ao FC Porto continuar a desmontar publicamente esta sórdida teia de favores.

Mas esta decisão é muito mais relevante do que aparenta. O Benfica perdeu "em casa" pela primeira vez em muito tempo, num campo que aprendeu a controlar e a inclinar a seu favor. Basta recordar o freio que travou o processo Apito Dourado em Leiria ou, mais recentemente, a placagem que o juiz Jorge Marques Antunes fez às buscas domiciliárias ao Benfica, que podiam ser determinantes para o processo.

Ao apresentar a providência cautelar, o Benfica admitiu a autenticidade dos emails. Arriscou, cedeu uma verdade para ganhar mais tempo para construir uma mentira à volta da qual se vai tentar defender. Tentou matar o mediatismo do caso, precisamente a única coisa que o tem feito sobreviver à inércia da Justiça e à impostura de parte da imprensa. Deu-se mal.

Segundo o acórdão, transcrito pelo Expresso, o Benfica alegou "concorrência desleal” por parte do FC Porto. Um argumento tão idiota que até Homer Simpson nos conseguia defender com sucesso em tribunal. O Benfica e o FC Porto são clubes e os adeptos são o seu património imaterial. Contudo, este raciocínio mostra que na óptica do Benfica os clubes são empresas e os seu adeptos mercadoria. Uma bela demonstração de apreço por quem os sustenta.

Esta ataque de papel configura também outra coisa: que o Departamento Jurídico do Benfica não tem um plano. E não tem um plano porque não sabe para onde se virar. E não sabe para onde se virar porque isso é o que acontece a quem se mete por caminhos apertados.

Em última análise, esta é uma decisão natural e pouco surpreendente. O BenficaGate é muito mais do que um escândalo, é um crime nacional em andamento, um episódio de interesse público que merece denúncia, escrutínio e consequências legais.

O parecer do Tribunal Cível do Porto, tomado por um juiz que teve o condão e a transparência de se assumir portista atempadamente, não é uma vitória do FC Porto sobre o Benfica na Justiça portuguesa. É a primeira vitória do futebol sobre o nacional-benfiquismo.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Comenta com respeito e juízo. Como se estivesses a falar com a tua avó na véspera de Natal.

Saudações Portistas.